Abre-te Sésamo!

Numa rua pacata de Évora (ou não), onde todos os anos é promovida a maior açorda de Portugal com bacalhau pouco ou nada demolhado e sangria bem desinfectada, onde se encontra o lar de algumas das promotoras da famosa açorda e também a sede de alguns dos grupos de índole académica da UÉ, e de outros de índole ainda por definir.

A certa altura, quando todos pensavam que Ali Babá e aqueles que não chegam a 40 não passavam de uma história das Arábias, eis que estes resolvem aparecer em Évora para pregar umas partidas a estes grupos de índole académica - ou pelo menos a alguns deles. Juntaram-se então um grupo de 6 tetos e mais alguns para averiguar o porquê desta inesperada visita. Após alguns questionários aos seus camelos e de muitas horas de vôo em tapetes voadores, eis que este grupo de corajosos sabe o verdadeiro motivo da sua vinda: pois os Árabes - que outrora povoaram terras Eborenses - queriam reclamar do que há muito já fizeram parte - voltar a ser um grupo de índole académica e assim voltar a ter a atenção da academia eborense.

Ali Babá e os que não chegam a 40 decidem chamar a atenção com o seu famoso "Abre-te Sésamo", conseguindo abrir portas, paredes, cintos de castidade. Apesar de terem em sua posse esta potente "arma" que tudo abre, melhor que qualquer chave mestra, chave de fendas ou martelo, não obtiveram a tão desejada atenção muito por culpa de não dominarem bem a técnica do "Fecha-te Sésamo", pelo que decidiram voltar para terras do mar vermelho, para criar um líquido dessa mesma cor. Ainda assim, o grupo de 6 tetos e mais uns quantos não se dão por contentes e estão a frequentar um curso intensivo da técnica do "Fecha-te Sésamo" de forma a solucionar o problema causado por Ali Babá e aqueles que não chegam a 40.